UMA SALA
QUE É UMA OBRA DE ARTE

Reinventada ao gosto de cada um, numa experiência sempre irrepetível

É assim a nova Hendrick’s Room do Bistro 100 Maneiras.
Um espaço privado, para momentos exclusivos, onde o espírito irreverente do 100 Maneiras se associa ao universo dinâmico e provocativo da Hendrick’s.

Nascida da imaginação e das mãos dos artistas Mário Belém e Filipe Pinto Soares, a nova Hendrick’s Room junta as ilustrações do primeiro às instalações tecnológicas do segundo e pretende assumir-se como “o segredo mais bem guardado de Lisboa”. Nas paredes forradas a choupo, os botânicos Hendrick’s servem de inspiração, com ingredientes como casca de laranja, cominho, limão, pepino, camomila, coentros e azevinho, entre outros, a celebrar o prazer de comer e beber.

Paredes
que guardam segredos

Mudam-se os moods, mudam-se as vontades

O segredo, esse, está escondido entre paredes: um painel que permite personalizar o ambiente da sala de acordo com o “mood” de quem a ocupa. Nesta central, é possível activar um esquema de leds com 128 programas aleatórios, controlar a intensidade das luzes do tecto e das paredes e até conectar um smartphone para escolher a música ambiente. O resultado é uma experiência sempre diferente, desenhada à medida do momento e das vontades de quem ocupa esta sala. Nesta sala, encontram-se dois bancos encastrados junto à janela. Porque a Hendrick’s Room se pode adaptar a qualquer ocasião, este recanto torna-se perfeito para os jantares íntimos, com a vista rasgada para o Chiado e uma nesga de Tejo a servirem de pano de fundo. Mas os jantares maiores também são possíveis, uma vez que a sala pode receber até 11 pessoas.

É meu, só meu!

Privado, ma non troppo

Embora situada dentro do Bistro 100 Maneiras, a nova Hendrick’s Room irá funcionar como um microcosmos dentro do universo 100 Maneiras. Assim, cada jantar contará com um menu exclusivo, concebido especialmente para esta sala pelo chefe Ljubomir Stanisic.

Entre pratos confeccionados com Hendrick’s e sugestões harmonizadas com cocktails criados à base do mesmo Gin, os menus serão desenhados ao sabor da imaginação do chefe, das estações e dos produtos disponíveis no mercado. Em alternativa, quem desejar poderá optar pelo menu à carta do Bistro 100 Maneiras.

Com possibilidade de personalizar o ambiente e uma opção de menus exclusivos, cada jantar na Hendrick’s Room pode ser um segredo à espera de ser descoberto, uma surpresa para provar, partilhar e repetir sem moderação.

SOBRE OS ARTISTAS

Mário Belém

“Faço desenhos desde que me lembro”. É assim, simples, o começo da história de Mário Belém, ilustrador e designer gráfico. Fez banda-desenhadas e pintou capacetes. Entrou na Faculdade de Arquitectura (que odiou) e descobriu que não tinha jeito “para desenhar porcas e parafusos. Tirou o curso de Design Gráfico, na Ar.Co. e começou a trabalhar com José Bandeira, das pessoas que conhece “que melhor desenha”. Fundou o thestudio.com com dois sócios, André Ribeiro e Juan Carmona. Gosta de parêntesis, notas de rodapé e canetas digitais (“a minha fiel companheira do dia-a-dia”). Mas do que gosta mesmo é de fazer trabalhos pessoais “para o umbigo”. Depois de anos a trabalhar apenas no ecrã, decidiu que era tempo de regressar às raízes: reaprendeu a desenhar à mão e rodeou-se de latas de spray e rolos de tinta. Vive em Portugal porque sim, porque quer. E, acima de tudo, “porque adoro isto (pá)!” Fecha parêntesis, ponto final.

Filipe Pinto Soares

Filipe Pinto Soares tem a sua formação em restauro na Fundação Ricardo Espírito Santo e em animação 3D na ETIC. Passou pela St. Martin’s School of Art, em Londres, no curso de manipulação de imagem, arte e design e estudou produção e vídeo na Media Productions Facilities, também em Londres. Em 2001 cria a Relectro, uma marca de design industrial onde alia tecnologia a objectos de decoração vintage. É por esta altura que as artes plásticas entram no seu currículo. Participou em algumas exposições colectivas e, em 2009, inaugura a sua primeira exposição individual: Floating Dreams. O seu trabalho reflecte todo um percurso de aprendizagem e de experiências, com a perspectiva de desenvolver e inovar o olhar sobre peças que juntam tecnologia à arte.